Quem somos

Olá, é uma alegria ter você aqui conosco.

Somos um grupo de artistas visuais plásticos que se uniu para buscar caminhos alternativos no mundo das artes, sair das garras de oportunistas de plantão, encontrar atalhos e construir pontes na direção mais profissional de nossas carreiras.

É por isso que somos “artistas criando trilhas”. Cada um de nós trabalha em pró de si mesmo, com autonomia e independência, aprendendo cada dia mais seriamente sobre os percursos do mundo e dos bastidores do cenário cultural, para nos tornar visíveis, para surgir no campo artístico e conseguir nos sobressair em meio a tantos talentos.

 

 

O INÍCIO

Uma série de eventos, em São José do Rio Preto, durante o ano de 2017, que promovia a interação entre artistas das artes visuais plásticas, havia me mostrado que a categoria era muito apartada e que era muito produtiva a comunicação.

Ainda que só acontecesse uma vez ao mês, esses encontros foram importantes para que pudéssemos compartilhar experiências, e para que ficasse óbvio que o contato entre nós era reconfortante para que restaurássemos nosso amor pela arte muitas vezes abalado pelas dificuldades da profissão, que o convívio com os pares era uma influência renovadora e inspiradora de processos criativos, e que a expansão de relacionamentos profissionais na nossa área de atuação é uma realidade que muitos estavam deixando de lado.

Ter isso em mente fez com que eu me decidisse por criar um grupo de artistas visuais plásticos, mas eu me sentia um pouco constrangida em começar.

Paralelamente aos encontros pessoais com artistas, eu participava de um grupo de Whatsapp criado para uma exposição, e lá eu tomei a iniciativa de sugerir a criação de um grupo de Whatsapp, com a intenção de promover o diálogo que eu tanto ansiava e que era desestimulado dentro desse, mas fui desencorajada. No entanto, um dos artistas do grupo me chamou para uma conversa privada dias depois e se mostrou interessado. Era dezembro de 2018. Ali nascia o Artrilha. Montamos um grupo no Whatsapp, mas demoramos para pegar ritmo.

A página do grupo no Facebook foi criada logo em seguida, em fevereiro de 2019, e pouco depois eu inventei o nome ARTRILHA. Eu entendi desde o início que o grupo precisava dessa identidade para que as pessoas certas se juntassem a nós, por isso que eu fiz questão que na logo estivesse presente o subtítulo “artistas criando trilhas”. É muito importante que o participante do grupo entenda que cada um de nós é responsável por cada pegada alternativa dentro do mundo das artes.

Em abril de 2020 criamos o Artrilha no Instagram e lá e aos poucos o perfil está aparecendo e conseguindo mostrar conteúdo.

Em julho de 2020 o Artrilha ganhou mais projeção com a criação da empresa Artrilha Editora e, logo em seguida, a editora lançou a Revista Artrilha, no dia 13 de agosto de 2020. O projeto tem sido um sucesso com um inesperado número de downloads e a repercussão tem sido muito positiva tanto no campo cultural, mas também entre o público em geral. Depois disso, lançamos a Revista Artrilha 2, também na versão digital, em dezembro de 2020. E em 09 de abril de 2021 lançamos a Revista Artrilha 3, também em versão apenas digital. Em 20 dias, a RA3 conseguiu mais de 12 mil downloads. Foi então que tudo mudou de novo e lançamos em 09 de dezembro de 2021 a Revista Artrilha 4, com publicação impressa de 1,3mil unidades. Pela primeira vez pudemos manusear as folhas da revista, e isso tem sido um divisor de águas na história do Artrilha.

Ainda em agosto de 2020, o Artrilha inicia o Projeto Líder Artrilha, uma iniciativa sem precedentes. Tratava-se de um projeto ousado e com diversas alças de atuação no campo cultural. Desse projeto que durou seis meses, nasceu o Leilão Artrilha (primeiro aconteceu em dezembro de 2020), o Salão Nacional de Artes Visuais Virgínia Artigas (em setembro de 2020), o e-commerce (em dezembro de 2021), a primeira exposição virtual (em dezembro de 2021). Para muito além do que estava desenhado no Projeto Líder, o Artrilha percebeu que podia se transformar numa produtora de eventos culturais.

Foi então que realizamos um outro sucesso: a Exposição Catavento. A primeira exposição presencial coletiva do Artrilha, que reuniu 80 artistas e 210 obras em uma galeria de 1,1 mil m2, no quarteirão mais disputado de São Paulo: Rua Oscar Freire com Rua Bela Cintra. Durante cinco dias recebemos quase 3 mil visitantes, realizamos vendas e produzimos um ruído enorme entre artistas e pessoas do mercado de arte.

Quando se pensava que o Artrilha ia reduzir a velocidade, surge o Prêmio Artrilha. Um premiação mais simbólica do que institucional, é uma forma que encontramos de reconhecer  trajetória dos artistas junto a nós. Essa maneira, toda Artrilha de ser, pouco convencional e que,  muitas vezes parece seguir em direção oposta aos espertos do mercado, sempre será nossa marca registrada. 

Em dezembro de 2021 completamos 3 anos e seguimos com a mesma configuração: somos artistas criando trilhas.

 

Nosso último evento de 2021 foi a participação na 25a Expo Arte SP e oferecemos gratuitamente o espaço aos artistas do grupo, com a inclusão de 21 obras que estiveram em exposição por seis dias.

E no começo de 2022, realizamos a nossa primeira exposição presencial do Artrilha, a Exposição Artem no Teatro União Cultural, sem qualquer custo aos artistas participantes e com a presença de 4 artistas. Essa exposição ficará vigente de 15 de janeiro a 13 de março. Faça uma visita!

Você já reparou que somos diferentes, né? Nós não vamos fazer o que os outros estão fazendo. Nós vamos fazer MAIS e MELHOR. A gente sai da cama, do quadrado e da curva porque somos mesmo diferentes. Nosso comprometimento é com a história do artista e a carreira que ele quer e precisa construir. Não queremos fazer um projeto e ver o artista indo embora frustrado porque se decepcionou mais uma vez com promessas milagrosas e fórmulas de sucesso. Nós nos recusamos a nos dobrar a essa atitude vil que já causou estragos demais nas vidas de muitos artistas. 

Aguarde! Você vai se espantar com a velocidade e a força das nossas ações. Juntos, somos mais fortes e vamos mais longe.

Em breve, muito breve, anunciaremos novidades. Sim, nós sempre temos novidades e nada, nem ninguém, pode nos deter.

Estamos em pleno voo. Venha com a gente e nós lhe daremos trilhas tridimensionais para percorrer no mundo das artes.

 

FIBONACCI ARTRILHA ARTISTAS CRIANDO TRILHAS

O NOME

Para criar a identidade do Artrilha eu usei de um neologismo. O neologismo nada mais é do que o emprego de palavras novas, derivadas ou formadas de outras já existentes.

Eu sabia que só um nome forte poderia ser capaz de criar uma identidade verbal como eu gostaria, algo que marcasse o grupo de forma indubitável. Foi por isso que eu precisei do neologismo, e juntei duas palavras: arte e trilha.

Ao fazer isso, minha intenção foi a de indicar que o grupo seria composto por artistas criando trilhas.

Ou seja, os próprios artistas do grupo buscam caminhos alternativos na produção cultural e se unem para a elaboração de projetos novos no mundo artístico. Foi assim que começou a construção do nosso branding!

O que você achou da nossa proposta? Conte para nós!

 

 

A LOGOMARCA

A escolha do logo para o grupo não foi aleatória. Foi pensado para representar o neologismo do nome: arte e trilha. Dessa forma juntamos na logo a sequência Fibonacci com uma espécie de escadaria.

Só lembrando, a sequência áurea ou Fibonacci formam o famoso retângulo de ouro que consiste no conceito visual formado pela espiral, representado pelos retângulos que se desdobram matemática e numericamente, desdobrando-se como se fossem arcos em seu interior.

Essa sequência é encontrada em vários padrões da natureza e é um objetivo estético perseguido por muitos artistas, então pareceu natural que o logo do Artrilha o tivesse em seu design.

O caminho formando um traçado em percurso dentro da sequência Fibonacci na marca, ajuda a ilustrar a ideia de alguém tomando um rumo, seguindo algum destino, pegando um atalho.

Portanto, a sequência áurea está vinculada com a arte, pois é um dos mais importantes referenciais no mundo artístico como padrão estético. Já a escadaria simboliza esse trajeto que o artista do grupo sempre busca, a trilha tão procurada dentro do campo das artes. Dessa forma o logo conseguiu simbolizar de maneira consistente o significado do grupo: artistas criando trilhas.

Gostou de saber o motivo da escolha da logomarca do Artrilha? Espero que sim!

Adoraríamos saber sua opinião, mas se você quiser saber mais sobre a sequência Fibonacci ou qualquer outra informação, não hesite, estamos aqui!.

 

 

Se você tem interesse em participar, fale conosco!

Só tenho uma coisa a dizer: você não vai se arrepender. Somos a família Artrilha, e todos os artistas do grupo têm orgulho de dizer #eusouartrilha!

 

Um abraço,

Edna